Selfmade: CWD Vectra GT-R

Foto-da-Capa-Site-Bfs.png

Totalmente fora do padrão nacional, este Vectra GT inspira reações dos mais variados tipos. Além disso, maior parte das modificações foram feitas pelo próprio dono, ou seja: faz jus ao nosso nome. “selfmade” – traduzindo ao português, “feito por si próprio”.

Fizemos uma entrevista com o dono dele, Cláudio Ayres, e resolvemos publicar dessa forma, mais informal, como um diálogo. Aprecie as imagens e entenda um pouco da história do carro!

selfmade: Quando comprou o Vectra? O que te atraiu neste modelo? Cláudio Ayres:Comprei o Vectra em dezembro de 2011. Antes dele, tive outros 4 GM’s: Celta, Pickup Corsa 1.6 e dois Astra, um 1.8 e o outro 2.0. Sempre curti o design do Vectra GT e sabia que ele tinha muito potencial para personalizações. Além disso, essa versão de 140hp condizia mais com o apelo esportivo dele, frente aos 128hp da versão anterior.

SM: Como surgiu a ideia de customizá-lo dessa forma? C.A:No primeiro dia com ele, instalei um jogo de rodas 18” Zetta 357 e a suspensão esportiva que estava no Astra. Então, literalmente, ele já sofreu modificações assim que caiu na minha mão. De lá pra cá, as alterações foram apenas em modelos de rodas (sempre mantive o aro 18”, mas a tala sempre aumentou no decorrer das trocas de modelos), ajustes de suspensão e pequenos detalhes estéticos. Nada muito fora do convencional.A idéia do widebody surgiu quando esse estilo de customização começou a se difundir no exterior. Confesso que quando vi os primeiros carros montados pela LibertyWalk, minha reação foi de estranheza ao ver aquelas BMW’s com paralamas aparafusados na lataria. Pois aquilo ia totalmente contra o estilo, até então, “clean” de alargamento dos paralamas.Mas logo me identifiquei com o estilo “enxertado”, e pensei: “Eu quero isso no meu carro!”.Um belo dia, conversando com um amigo pelo Facebook, joguei a ideia para ver o que ele achava, de ter de cortar a lataria do meu carro, para fazer o widebody. Por sorte, joguei a idéia para a pessoa certa – doente como eu, rs. Apoiou a minha ideia. O resultado foi esse que vocês estão vendo.

SM: Como foram feitos os “fenders” dos paralamas? Teve algum modelo que serviu de “molde”, ou foi feito diretamente para o carro, sob medida? C.A:Antes de começar a fazer os fenders, pesquisei muito para aprender a trabalhar com esse tipo de modificação. Todo o processo de confecção dos fenders foi feito por mim, na minha própria garagem. Tudo partiu do zero, sem modelos para servir de molde. Utilizei uma foto do meu carro para fazer uma projeção do design dos fenders que ficaria harmonioso com as linhas do Vectra. Quando cheguei num resultado interessante, meti a mão na massa (ou na espuma). Utilizei materiais comuns de serem utilizados nesse tipo de modelagem: espuma de poliuretano, massa corrida e lixa, muita lixa. Depois de terminar a etapa da modelagem, parti para a confecção dos moldes em fibra de vidro, e posteriormente para a confecção das peças finais também em fibra de vidro. Lembrando que eu nunca havia trabalhado com esse tipo de modificação antes. Só tinha uma pequena intimidade com a fibra de vidro, mas era pouca. A única ajuda diretamente profissional foi para fazer a pintura das peças.

SM: Teve algum carro que serviu de inspiração? Tem algum objetivo, em especial, com ele? C.A:Minha inspiração para definir o estilo dos fenders veio, principalmente, do modelo feito pela Rocket Bunny para o Scion FRS (ou Subaru BRZ). Mas não só dele, os modelos criados pela LibertyWalk, Vollkomen Design e RWB também me influenciaram em alguns pontos. Lembrando também que, além dos fenders, outras modificações também foram feitas em casa: o aerofólio estilo duckbill, grade dianteira, front e side splitters também foram feitos por mim.

SM: Quais serão as próximas modificações? C.A:Esteticamente, o carro está praticamente pronto, embora eu acredite que ainda surgirão novas ideias. Pretendo ainda modelar um Rear Diffuser para ele, utilizando chapa metálica. Um novo abafador de inox (de maior bitola) está a caminho. Mas meu foco principal, agora, está para a etapa de preparação do motor. Ainda estou coletando informações e dicas de quem entende do assunto, para definir uma preparação que deixe o conjunto confiável para se utilizar. Pois vale lembrar que o Vectra é utilizado também em pequenas viagens.

SM: Qual a marca, modelo e medidas das rodas e pneus? C.A:As rodas atuais do Vectra são réplicas das 720Form, modelo GTF2. São rodas de pista, super leves, com 18”x9” na dianteira e 18”x10” na traseira. Os pneus são Delinte 225/40R18 na dianteira e Maxxis 255/35R18 na traseira.

SM: Qual a configuração da mecânica que você irá montar no carro em breve? Quais serão as próximas melhorias? C.A:A ideia inicial de preparação seria montar um kit turbo “básico”, mas bem montado, garantindo confiabilidade com pouca pressão de turbo, sem exigir a troca de componentes internos por peças forjadas. Utilizarei um módulo de injeção FuelTech com bicos retrabalhados, possivelmente com bico suplementar. O resultado esperado é algo em torno dos 210-230hp.Embora o Vectra seja utilizado exclusivamente na rua, tenho a pretensão de colocá-lo na pista, em track days. Creio que para isso, a cavalaria acabe sendo pouca. Por isso mencionei que este seria um primeiro setup de preparação. A configuração irá evoluir com o tempo.

SM: Fique a vontade para citar mais detalhes e informações sobre a história do Vectra. Algum momento marcante ou curiosidade: C.A:Dois anos atrás, quando eu estava construindo a minha casa e gastando com o meu casamento, o Vectra quase foi vendido para que eu conseguisse terminar de pagar as minhas contas. Por sorte, acabei dando um jeito para não ter que vendê-lo. Desde então, me conscientizei de que ele passaria a ser utilizado como um “hobby car”, onde eu faria tudo que gostaria de fazer, sem me preocupar se ele poderia ser vendido depois. Como alguns dizem: me casei com o carro.Foram cerca de 10 meses trabalhando nele, que ficou todo esse tempo parado na garagem de casa. Para a minha sorte, tenho uma esposa que, apesar de não ser aficionada em customização automotiva, sempre me apoiou em meus objetivos. Não deve ter sido fácil para ela aturar toda a sujeira que este projeto causou.Mas, sem dúvida alguma, todo o trabalho que tive está sendo compensado pelo resultado final. Embora essa nunca tenha sido uma preocupação para mim, o reconhecimento que tenho recebido por quem vê o carro na rua e pelas fotos que rodaram nas redes sociais é sensacional! Hoje em dia, é muito difícil você agradar a todos os gostos, mas 95% dos comentários que vejo são positivos.Sempre customizei os meus carros a fim de torná-los únicos, uma extensão da minha personalidade. Desta vez, consegui, mas acho que levei isso ao extremo.

Mas se você pensa que a matéria acaba por aqui, está enganado. Esta é apenas a primeira parte. O Vectra "GT-R" receberá upgrades em breve e voltará a aparecer aqui na Selfmade! Aguarde!