Brasil no maior evento de carros da Europa - Wörthersee 2018 (Parte 1)

Uma viagem para Europa (planejada em menos de 2 meses) para um rolê que é sonho de muitos gearheads. Até agora não to acreditando que isso aconteceu!

O sonho estava aqui guardado para ser realizado, sei lá, daqui uns 2 anos... Felizmente surgem uns malucos para apertar o parafuso e subir a pressão da turbina, e aí ninguém segura, meuzamigo!

Joguei as ideias no universo e aí não faltou gente responsa para apoiar minha loucura, de todos os lados. Só tenho a agradecer a todos que apoiaram a missão: Leonardo Pereira, VolksPage, Agl Garage, The Underground, East Side Kustoms, Bravo Tapeçaria, By Deni Studio, Porn Garage, Craw Works Design - CWD, Surface Custom, Vaglounge, Vag Valley Treffen, VolksFest e STR Maringá. Vocês são f#das! E claro, todos vocês que acompanham o conteúdo da Selfmade!

Você acha que viajar 16 horas de avião mais 7 horas de carro para um evento que já tinha passado mais da metade é insano?
Horas antes de embarcar rumo à Europa eu estava assistindo os vídeos que já estavam saindo da edição de 2018. Parece louco né? E é! Por quê? Porque o Wörthersee é assim. No entanto é essa loucura que torna o rolê ainda mais especial.

Minha viagem começou na Suíça, onde fiquei hospedado por 2 dias na casa do meu amigo Tiago (Agl Garage), na capital Berna. Havia um plano dele, o qual eu concordei que partiríamos no dia 11 de maio para a Áustria, com aproximadamente 7 horas de rodagem.

worthersee2018_selfmade_evento_carros_europa (1).jpg

Na noite que antecedia a viagem, fomos abastecer o Golf Variant e cheio de entusiasmo eu não parava de perguntar para o Tiago sobre o encontro, já que ele frequenta há alguns anos.
Era quase hora de partir para a parte mais empolgante da jornada. A Autobahn nos aguardava.

Quando não me via distraído com a paisagem, era procurando pelas auto-estradas da Alemanha carros diferenciados – ou que eu nunca tinha visto pessoalmente. É comum pelos países europeus ver as naves ‘descendo o cacete’ na Autobahn, já que alguns pontos não tem limite de velocidade. Até o Golfão entrou na onda de jogar pra esquerda e lenha!

Chegando na Áustria, vista deslumbrante era uma atrás da outra, e quando não era o visual externo eram túneis que cortam as montanhas. Coisa de cinema mesmo, que você olha e se impressiona. É até difícil citar em palavras como era bonito o plano de fundo. Parecia tão surreal e ao mesmo tempo tão próximo.

Com o destino a poucas milhas, os níveis de ansiedade começam a aumentar cada vez mais, principalmente quando eu via as placas sinalizando as cidades que cercam o lago. O coração começa a bater mais forte!
 

worthersee2018_selfmade_evento_carros_europa (1).png

Aos poucos começo reconhecer ‘a galera’ pela altura dos carros e roncos. Então meu amigo, quando olhei pelo espelho retrovisor, sem perceber, nós já estávamos participando de um comboio em direção a Reifnitz. E o coração? Cortando em alta!

No momento que eu pisei em solo Austríaco, saquei a câmera e olhei a minha volta: Choque visual!

Não sabia o que dizer, não sabia o que fazer. Queria fotografar, queria filmar, queria sorrir ou pelo menos olhar para os carros passando e balançar a cabeça positivamente com o típico cumprimento do elogio, mas eu travei!
Em questão de poucos passos – do estacionamento até o stand - olhando os carros ao meu redor, ainda extasiado, percebi que o esplêndido se tornava normal em poucos segundos.
Eu tinha certeza que quando eu cheguei muitos carros tinham ido embora, mas percebi que outros tinham acabado de encostar.

Editando as imagens desse rolê parece quase surreal olhar para elas. Não consigo me lembrar de um sentimento assim depois de outro evento. Sérião!

Em Reifnitz rola uma emoçãozinha com o que você pode encontrar em qualquer lugar da cidade, que você olha em qualquer uma das ruas, qualquer estacionamento, qualquer calçada de estabelecimentos, hotéis ou qualquer espaço suficiente pra um ou dois carros. Após um proveitoso role pelo lado de Reifnitz e Maria Wörth, chegou a hora de pegar a estrada sentido Velden. Destino? Postinho!

A caminho do posto Mischkulnig, uma curta pausa para retirar a placa dianteira do Golf, já que circula boatos que os gringos curtem colecionar placas de outros países. Tiago brinca – Só faltava a gente encontrar a polícia e ser multado. Dito e feito.

Uns euros para o bolso da Polícia Austríaca – a multa é paga na hora. Enquanto ele se acertava com os policiais, eu gravava e fotografava toda essa cena em frente ao posto. Foi só uma baguncinha na Áustria – a qual nem recomendamos. Risos.

Não é engraçado como um posto de gasolina se tornou um dos locais mais emblemáticos do mundo? Devidamente, me senti no lugar certo. Ainda mais por encontrar os amigos e patrocinadores da VolksPage e outros amigos brasileiros juntos – Ignacio, Soneka, Mateus Daldon, Alessandro Hessel, Carlão e Giubbina. Risadas, histórias da viagem, chopp e pizza!

E pra quem acha que tudo acaba em pizza, isso não funcionou por lá. Depois de comer, fomos pra beira da calçada apreciar o movimento. Ali você literalmente nunca sabe de onde viria o próximo carro zika. É coisa de louco!

Ver centenas de pessoas indo à noite para um posto de gasolina seria considerado estranho para a maioria. Tarde da noite, muitas pessoas em frente a um cassino rodeando carros? Só quem é, sabe. Você que lê isso agora, deve me entender. Né?

Um pouco tarde, decidimos ir embora e levar o Mateus Daldon para o hotel. No caminho, vi que Wörthersee é à noite que realmente ganha vida. Inúmeros carros dirigindo no escuro, todos com seus próprios destinos em mente.

Por falar em destino em mente, a nossa pousada sumiu da mente do Tiago e do nosso mapa – navegação off, 3G do Tiago não funcionava, meu celular sem bateria e a tiazinha da pousada já deveria estar no seu 7º sono.

Resumo da ópera: estávamos desnorteados. O que eu pensava e acredito que o Tiago também, era: F#deu!
Só sabiamos que a pousada era localizada numa área rural de Klagenfurt.  Rodamos atrás de uma placa que indicasse a cidade, e ao achar e se recordar de pequenas referências, vibramos!

Eram dois malucos (quase) perdidos na noite gelada do Wörthersee.

Assim terminou a experiência do meu primeiro dia no Wörtherseetreffen.
Em breve a segunda parte meus amigos!

#PauNaMaquina